SharePoint Framework – Visão e Futuro

Olá SharePointers,

Para quem acompanha meu blog, venho falando das novas formas de desenvolvimento para SharePoint e incluindo minhas experiências com novos frameworks há algum tempo.

A Microsoft disponibilizou, ainda em preview, um novo framework para desenvolvimento de soluções para o SharePoint – falei sobre isso nesse link:  http://rodrigoromano.net/2016/09/01/sharepoint-framework/.

Vendo os movimentos mais recentes da Microsoft, podemos perceber a sua estratégia de aproximação com as comunidades/plataformas Open Source e como isso têm transformado a experiência com os próprios produtos da Microsoft.

Dito isso e, pensando em toda a transformação que o próprio modelo de Add-ins nos propiciou – ou nos forçou – podemos inferir/constatar que o desenvolvimento Server Side para SharePoint, se ainda não deixou de existir, tende a morrer. 

Quando eu falo isso, estou me referindo apenas a códigos de servidor rodando no mesmo box do SharePoint. É claro, que se você fizer um add-in provider hosted, você poderá ter códigos de servidor rodando normalmente em qualquer linguagem que preferir.

 

Add-Ins

Tenho falado bastante sobre esse assunto, também. Nesses posts http://rodrigoromano.net/2015/11/04/aumentando-a-produtividade-com-sharepoint-add-ins-parte-1/ e http://rodrigoromano.net/2015/11/23/aumentando-a-produtividade-com-sharepoint-add-ins-parte-2-a-beleza-do-upgrade/ falei sobre como utilizar esse modelo para ganhar produtividade.

Quando esse modelo foi introduzido, a mensagem chegou para a comunidade de forma distorcida e não entendemos a sua proposta e como ele poderia nos ajudar. Para nós, desenvolvedores de SharePoint acostumados a fazer tudo da mesma maneira, foi complicado aceitar essa alteração na nossa metodologia de trabalho. Muitas pessoas acabaram por simplesmente deixar esse modelo de lado e não aproveitar os seus benefícios.

Concordo que essas mudanças são muito grandes, principalmente para quem estava acostumado com desenvolvimento somente do lado do servidor e tiveram que passar para o lado do cliente e entender todos os seus desafios e características.

Muito embora as aplicações web tenham evoluído para modelo semelhantes, não estávamos acostumados e talvez nem preparados pra isso.

 

SharePoint Framework

A Microsoft tenta, cada vez mais, aproximar os desenvolvedores de outras plataformas e permitir que eles trabalhem com o SharePoint de maneira mais simples, sem uma curva de aprendizado muito alta.

Com o modelo de Add-ins, nesse caso específico os SharePoint-Hosted, isso era uma meia verdade. Embora a linguagem utilizada seja o Javascript, todo o tooling e os processos de desenvolvimento eram todos muito distintos. 

Na minha visão, o modelo de Add-ins foi um primeiro passo nessa transformação. 

O segundo passo, foi a criação do SharePoint Framework.

Com esse novo modelo, que ainda está em preview, a Microsoft aproximou esses mundos de uma forma nunca vista antes. Veja abaixo, um comparativo entre os toolings utilizados no desenvolvimento Server-Side e no novo modelo:

Tooling SharePoint Atual Tooling SharePoint Framework
IIS / .NET Framework Node
NuGet NPM
MS Build Gulp
Visual Studio Templates Yeoman
C# TypeScript

Notem que agora, as ferramentas são as mesmas utilizadas pelos desenvolvedores front-end por muito tempo. Eles não terão nenhum tipo de dificuldade de se adaptar nesse mundo novo, ou seja, a Microsoft atingiu seu objetivo.

Eu acredito que, eventualmente, esse modelo substitua o de add-ins, pelo menos o SharePoint-Hosted.

Uma das coisas que posso comentar, é que a Microsoft está investindo bastante nesse modelo. Recomendo, portanto, que o utilizem. Testem-no. Deem feedback. A Microsoft está focada em pegar tudo o que ela tem aprendido com a comunidade, principalmente no PnP e tentando trazer para o produto.

 

O que acham desse assunto? Comentem aí! 😀

 

Abraços!

 

Uma ideia sobre “SharePoint Framework – Visão e Futuro

  1. Roberto Nunes

    Muito bom o artigo!
    Outra coisa a se comentar é que a Microsoft lançou o SharePoint 2016 com um produto de transição nesse processo.
    Se a Microsoft seguir nessa linha acho que o produto vai ter um “up” no mercado.

    Um abraço!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *